PRODUÇÃO ACADÊMICA

Logo_puc.png

O desenvolvimento profissional de um grupo de coordenadoras pedagógicas iniciantes

Atualizado: 2 de Out de 2018

Movimentos e indícios de aprendizagem coletiva, a partir de uma pesquisa-formação

Por Rodnei Pereira

O objetivo desta pesquisa foi construir e executar, coletivamente, uma proposta de formação e analisar suas contribuições no planejamento das ações formativas de um grupo de coordenadoras pedagógicas iniciantes, pertencentes a uma rede municipal de ensino da Grande São Paulo.


Buscou-se elaborar um plano de ação, tendo como base as necessidades formativas das participantes e seus contextos de trabalho, acompanhar o planejamento das ações de formação empreendidas por elas, investigar os movimentos que a formação produziu no grupo, em relação às suas atribuições de cunho formativo e identificar indícios das contribuições das formações para o exercício profissional das trabalhadoras, na direção de ampliar e provocar seu compromisso como formadoras. Para tanto, realizou-se uma pesquisa-formação, inspirada na pesquisa-ação. Os dados foram produzidos com base na transcrição de uma roda de conversa, no registro audiografado de 16 encontros quinzenais de formação, durante 10 meses, na elaboração de um diário de campo e no conteúdo de um grupo de comunicação, utilizando o aplicativo Whatsapp. A análise dos dados teve inspiração na Análise de Prosa.


Os resultados indicam que a formação, construída coletivamente, favoreceu a tomada de consciência das participantes acerca do seu papel como formadoras, colaborando para o desenvolvimento de suas atividades e para a ampliação da compreensão do seu papel. Verificou-se que problemas relativos ao planejamento do trabalho e à insuficiência de espaços de estudo dificultava o desenvolvimento profissional das coordenadoras.


Outras dificuldades se mostraram na falta de referenciais de atuação e na pouca clareza do papel do coordenador pedagógico por parte de outros profissionais – diretores, professores e funcionários do apoio escolar. Como pontos positivos destacam-se a construção de um processo formativo centrado nos contextos de atuação das participantes e uma identificação grupal que sugere que houve fortalecimento e favorecimento do desenvolvimento profissional das coordenadoras iniciantes.


A pesquisa sugere, ainda, que o coordenador pedagógico, assim como os professores, aprende seu trabalho na escola e que, quando os profissionais da coordenação encontram espaços de ressignificação das experiências vividas e podem construir, conjuntamente, estratégias de enfrentamento dos seus desafios profissionais, ampliam-se as possibilidades de mudança em suas formas de pensar e agir. Percebeu-se, também, que as coordenadoras se sentiram legitimadas na condição de formadoras, quando se mostraram capazes de dialogar e problematizar as práticas pedagógicas das professoras.


Clique aqui para ter acesso ao PDF.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Qual o lugar da escola frente ao tema drogas?

Por Helena Maria Medeiros Lima e Vera Maria Nigro de Souza Placco A questão das drogas segue como tema de difícil compreensão e manejo no cotidiano escolar, sendo o professor constantemente solicitado